ONU prevê energia renovável para todo o mundo com financiamento de €339 mil milhões.

As Nações Unidas revelaram esta quarta-feira uma necessidade crítica de financiamento de mais de 339 mil milhões de euros para que todos os países do mundo tenham acesso a energias renováveis e para uma transição ‘verde’ até 2030.

O financiamento no valor de 400 mil milhões de dólares e parcerias público-privadas para a criação de mais de quatro milhões de empregos na economia verde vão ser alguns pontos a discutir na próxima semana em Nova Iorque, no Diálogo de Alto Nível sobre Energia, de 22 a 24 de setembro, o primeiro evento de alto nível pela ONU em mais de 40 anos dedicado à energia sustentável.

O anúncio foi feito numa conferência de imprensa virtual pela representante especial do secretário-geral para Energia Sustentável para Todos, Damilola Ogunbiyi e pelo secretário-geral adjunto das Nações Unidas, Haoliang Xu, administrador adjunto do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

“Precisamos de à volta de 400 mil milhões de dólares só para fornecer acesso à energia renovável [a todos os países do mundo] e de mais biliões para a transição para energia limpa”, disse Damilola Ogunbiyi.

“Só para contextualizar, estamos a pedir a economias nacionais que nem chegaram à industrialização para eletrificar todas as suas economias, como o setor dos transportes, setor industrial, ou setor das energias, ao qual muitos países desenvolvidos também ainda não chegaram”, acrescentou a responsável.

“A melhor forma para sairmos da crise em que nos encontramos é pela criação de empregos”, declarou a representante especial para Energia Sustentável para Todos, anunciando que 4,3 milhões de novos empregos ‘verdes’ serão criados nos próximos nove anos, para “dar suporte a 228 parcerias que foram estabelecidas no contexto do Diálogo de Alto Nível”.

Em relação aos 4,3 milhões de empregos a serem criados, a representante especial disse, em resposta à agência Lusa, que os empregos serão criados nos próximos nove anos, correspondendo a atividades relacionadas com as energias renováveis, como instaladores, técnicos ou também arquitetos, ‘designers’ e especialistas em planeamento das transições para as energias sustentáveis.

“Estamos a tentar estimular as organizações para nos dizerem que empregos vão criar, quantos serão para a juventude, quanto se vai investir na formação dos jovens e das mulheres. Queremos garantir que os empregos são trabalhos onde muitas mulheres podem participar e onde podemos chegar a uma distribuição equilibrada pelos géneros”, acrescentou Damilola Ogunbiyi.

O Diálogo de Alto Nível sobre Energias, que culmina na sexta-feira, dia 24, com a presença de cerca de 60 chefes de Estado, pretende incentivar ações concretas por parte dos países presentes, com ‘compactos’, ações voluntárias para apoiar Estados-membros e intervenientes não estatais (como companhias, governos locais, regiões, organizações sem fins lucrativos e outros).

Um dos grandes problemas vem da diferença no acesso às energias entre países desenvolvidos e países em desenvolvimento e da falta de financiamento para uma distribuição equitativa, disse a representante especial Damilola Ogunbiyi.

Por exemplo, em comparação com os países mais avançados, o continente africano encontra-se a quase 20 anos de muitos outros e não se pode, nestas condições, comprometer com uma transição para energias renováveis até 2030, se não houver financiamento.

“Não podemos continuar a falar para países em desenvolvimento como se houvesse um problema que é da responsabilidade deles e olhar para os países desenvolvidos como se só esses tivessem a solução. Temos de trabalhar em conjunto”, incentivou a responsável.

Fonte: Lusa in Jornal Expresso

Entre em contacto connosco para obter mais informações.