Nasceu uma nova app para o desenvolvimento pessoal, saúde e bem-estar. É portuguesa. E gratuita.

O ser humano vive, em média, 29 mil dias. Bom seria que vivêssemos estes dias na maior tranquilidade possível, sem angústias, ansiedades e stresses muitas vezes desnecessários.

Traçar um “caminho para o autoconhecimento e transformação pessoal, para melhoria do nosso bem-estar” e, assim, salvaguardar o mais possível a nossa saúde mental, pode prevenir a necessidade de recorrermos, mais tarde, a toda uma gama de ansiolíticos e antidepressivos.

Com conteúdos integralmente em português, para que cheguem a todos, a 29K FJN é o resultado da parceria entre a fundação e uma organização sueca que incentiva a criação de comunidades de crescimento pessoal. Os cursos disponibilizados pela aplicação são devidamente credenciados cientificamente e foram desenvolvidos por investigadores das universidades de Harvard, Londres, do Instituto sueco Karolinska e ainda pela escola de medicina da Universidade do Minho (esta, na transposição para a versão portuguesa).

Chegar ao maior número de portugueses e, assim, democratizar o acesso a ferramentas para promover o bem-estar pessoal e promover a saúde mental é mais uma área de atuação da fundação criada pelo fundador da Farfetch, José Neves, ele próprio mentor em dois vídeos que falam sobre “stress e resiliência” ou de “como lidar com a ansiedade e a preocupação em momentos de dificuldade”.

Quando abrir a aplicação, pode ainda encontrar rostos conhecidos, como Fátima Lopes ou Catarina Furtado. Estas vão partilhar a sua experiência relativamente ao curso que fizeram e de que forma isso impactou a sua vida (e que contou com uma participação pública no evento anual). Uma forma de ajudar outros a romperam com o medo de partilharem as suas dificuldades, dado o estigma que as doenças de saúde mental ainda têm. Os cursos podem ser feitos ao ritmo de cada um. Há vídeos para reflexão ou meditação. Há partilhas de grupo para quem quiser e se sentir confortável com isso.

“Acreditamos que a próxima pandemia já cá está. É uma pandemia de saúde mental que já vinha de trás e que a covid acelerou. Somos o país da Europa que mais consome ansiolíticos, porque não falamos do assunto e achamos que é tabu. Quando as pessoas se apercebem que têm um problema destes, já só com tratamento de medicamentos”, diagnostica Carlos Oliveira. “Por acharmos que o país precisa desta ajuda é que lançamos esta aplicação e este programa baseado em ciência precisamente para alertar e para que cada um se ajude o mais cedo possível. Nós damos a ferramenta. Quem quiser usá-la terá um benefício para si e para o seu desenvolvimento pessoal, a sua estabilidade emocional e a sua saúde mental, A solução está em cada um, mas se usar bem esta aplicação, ela terá impacto”, promete o presidente executivo .

Fonte: Cesaltina Pinto in Visão

Entre em contacto connosco para obter mais informações.